domingo, setembro 02, 2007

Asfixia Empresarial!


"Portugueses atravessam a fronteira para atestarem depósitos Dezenas de portugueses transferem todos os anos o s seus negócios para Espanha. Tudo devido ao custo de vida mais barato e aos impostos mais baixos, o que também leva outros portugueses a fazer as suas compras no país vizinho. Manuel Carneiro e Manuel Almeida são dois exemplos que ilustram bem a desilusão de muitos quanto ao custo de vida actual. Manuel Carneiro, 48 anos, há 14 anos que se dedica ao ramo automóvel, efectuando deslocações a França, Suíça e até Alemanha para adquirir carros e vendê-los em Portugal. Durante alguns anos a sua empresa esteve sediada em Chaves, mas os "elevados impostos e o excesso de burocracia" fizeram-no fechar as portas e rumar para o outro lado da fronteira, para Verin, a 30 quilómetros de Chaves. "Em Portugal pagava 21% de IVA pelos lucros, em Espanha pago apenas 16%", explica. A título de exemplo da diferença de preços, Manuel Carneiro aponta um dos produtos que tem agora para venda, um Porsche Carrera 4 Cabriolet que em França custa 20 mil euros, em Espanha 23 mil e em Portugal 32 mil euros. "Em Portugal praticam-se normas absurdas que nos complicam a vida e que não são exigidas em mais nenhum outro país da União Europeia", afirmou. Os portugueses ficam a perder em tu-do. Ganham menos e pagam muito mais", salientou. Para já, Manuel Carneiro mudou apenas a sede da empresa mas pondera a hipótese de um dia, mais tarde, se mudar definitivamente para o lado de lá da fronteira. Já Manuel Almeida foi proprietário de uma estação de serviço em Chaves durante mais de uma década. O negócio estragou-se graças à proximidade de uma bomba de gasolina espanhola, a apenas 12 quilómetros de Chaves. A única solução foi fechar as portas e abrir o mesmo negócio em terras espanholas, em Feces de Abaixo. No entanto, e ao contrário do que imaginava, "também em Verin o projecto está a ser travado pela burocracia e dizem-me agora que tenho que esperar mais uns meses para efectuarem alterações ao Plano Director Municipal", salientou."O Governo português não sabe fazer contas. Pois as pessoas que abastecem em Espanha, para além do combustível, compram também outros produtos", sustentou. Manuel Almeida fez as contas: "Só na fronteira de Chaves, o Governo português perde em receitas de imposto sobre os combustíveis qualquer coisa como 30 milhões de euros por ano." As contas foram confirmadas pela Galp. Segundo o seu presidente, Manuel Ferreira de Oliveira, só a Galp Energia perde por ano mais de 100 milhões de euros." - In Diário de Noticias de 2 de Setembro de 2007.


Do que é que se estava à espera? Com uma carga fiscal brutal, sobre os pequenos empresários, e aliado a um baixo poder de compra dos portugueses é natural que quem mora em áreas perto da fronteira, sinta a necessidade de recorrer a Espanha!

Qualquer negócio em Portugal, que se queira começar, depara - se logo com uma burocracia gritante e desmoralizadora, será por isso que ainda hoje saudamos no tempo, os nossos feitos históricos dos descobrimentos, pois foi nessa altura que fomos empreendedores, e inovadores!

Não existe estudo nenhum que não aponte o fraco dinamismo empresarial da nossa economia!

Em parte este factor resume - se a um certo medo por parte do tecido empresarial português em investir, muito deste medo resulta da burocracia e apertada carga fiscal exercida pelo estado, que prefere agraciar com dotes multinacionais de referência que empregam mais de 500 pessoas numa dada região, e que ao fim de um conjunto de anos se vão embora, deixando um drama social imenso em determinadas regiões!

Muitos pequenos empresários, que querem investir em pequenos sectores da economia debatem - se com inúmeros entraves desde benefícios fiscais ou até o simples acesso ao crédito para a criação de empresas.

Eu acredito piamente que neste país existam muitas, pessoas que queiram criar e dinamizar uma determinada ideia, no entanto esta morre muitas vezes à partida!

Será esta uma das causas da nossa desilusão???

2 comentários:

al cardoso disse...

Parece que so o "nosso" governo e que nao ve, que os impostos altissimos que temos em nada potenciam o desenvolvimento economico!
Mas o pior e que continuam a esbanjar enormemente, pelo que os sacrificios que exigem aos portugueses nao estao a dar resultados, senao vejamos o enorme desemprego!

Um abraco e parabens pelo excelente "post".

A. João Soares disse...

Isto parece facilmente explicado pela incompetência, egoísmo e ambição pessoal dos nossos políticos. Criaram um défice orçamental e com esse alibi aumentaram as cargas fiscais sobre o desgraçado do contribuinte que não pode fugir ao fisco.
Mas, em contrapartida, não se cansam de aumentar as despesas com a máquina o Estado, aumentando a quantidade de assessores (sem resultado na melhoria da máquina administrativa, antes pelo contrário!), criando lugar para centenas de assistentes pessoais dos deputados, quando estes mostram a sua falta de ética impedindo plenários e reuniões de comissões parlamentares de funcionar por falta de quorum! Nem sequer comparecem onde devem comparecer! Trocaram os carros de políticos por modernas bombas mas deixam o povo sem ambulâncias eficientes para transportar os pacientes para maternidades e urgências que agora ficam mais distantes, com os resultados que as notícias mostram. Estão-se nas tintas para o bom povo, interessando-se apenas por sacar o máximo para os membros da oligarquia.
Talvez José Saramago tenha razão nos seus augúrios, o que me preocupa.
Abraço