sexta-feira, janeiro 04, 2008

1º Jornada - Museu de Serpa expõe 200 anos de relógios dos nossos antepassados


"Os melhores relógios, de bolso e de pulso, fabricados entre 1750 e 1950 e usados pelos nossos antepassados vão estar expostos no Museu do Relógio, em Serpa, a partir de sábado, divulgou hoje a instituição.

A exposição, com o nome de «Relógios dos Nossos Antepassados: 1750 a 1950», vai estar patente ao público, nas instalações do museu, até 31 de Julho.

Durante os primeiros sete meses deste ano, os visitantes poderão apreciar 600 «máquinas do tempo», de bolso e de pulso, restauradas pelos dois mestres relojoeiros (António Silva e João Vinhas) da oficina de restauro do museu.

O Museu do Relógio é único na Península Ibérica e um dos cinco que, a nível mundial, se dedica a esta temática, possuindo um espólio com mais de 1.800 relógios.

Peças fabricadas nos últimos 400 anos e utilizadas no pulso, no bolso, na lapela ou mesmo no espaço e na lua são algumas das curiosidades que os visitantes podem encontrar.

O fundador, António Tavares d Almeida, coleccionou relógios de várias cidades portuguesas, como Lisboa, Porto, Coimbra, Évora, Faro, entre outras, tendo o acervo do núcleo «engrossado» também com doações efectuadas por «Amigos do Museu», que são depois restauradas e expostas.

Instalado num convento do século XVI, o museu foi criado em 1975, é uma instituição privada e auto-sustentável graças aos relógios mecânicos que produz artesanalmente e à oficina de restauro, que trabalha para visitantes e para grandes coleccionadores de Portugal, Espanha, França, Alemanha e Inglaterra.

Nos meses de Julho e Agosto de 2007, o Museu do Relógio, que já atraiu mais de 300 mil visitantes ao longo da sua existência, recebeu uma média diária de 100 visitas, nomeadamente de turistas nacionais, mas também de «viajantes de todo o mundo».

«Para o Alentejo profundo é uma mais-valia que existam atracções turísticas e culturais como o Museu do Relógio», assegura a instituição, que não recebe qualquer apoio governamental, autárquico ou empresarial." - In Jornal Digital de 4 de Janeiro de 2008.

1 comentário:

al cardoso disse...

O Alentejo que foi durante centenas de anos; "o patinho feio" portugues esta a comecar a mostrar como se fazem coisas boas.
Se nao lhe seguimos os bons exemplos, brevemente seremos nos os da Beira mais alta "o patinho feio"!

Um abraco amigo d'algodrense.