quinta-feira, janeiro 03, 2008

Vontade de mudar!

"O petróleo continua a negociar perto do máximo histórico dos 100 dólares o barril, alcançado terça-feira em Nova Iorque, com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) a afirmar que não pode refrear os preços.

A OPEP não consegue conter a subida dos preços, afirmaram hoje fontes oficiais da Líbia e do Qatar.

A produção da OPEP está próxima do máximo da capacidade e a organização "não pode fazer nada" para refrear os preços, afirmou o presidente da empresa nacional de petróleo líbia, Shokri Ghanem.

A OPEP, que abastece mais de 40% do consumo mundial de petróleo, não pode baixar os preços porque eles estão a ser influenciados mais pela componente especulativa do que pelos fundamentais, afirmou o ministro do petróleo do Qatar Andullah al-Attiyah.

A organização manteve os níveis de produção de petróleo, na reunião de 5 de Dezembro, recusando assim os apelos dos Estados Unidos para produzir mais.

Simultaneamente, os Estados Unidos não planeiam lançar no mercado as reservas de emergência numa tentativa de fazer baixar os preços, afirmou um porta-voz da Casa Branca.

O relatório semanal, a divulgar hoje, deverá revelar que as reservas comerciais de petróleo norte-americanas estão a cair pela sétima semana consecutiva.

O preço do petróleo para entrega em Fevereiro estava a subir mais de 36 cêntimos para 99,98 dólares o barril no mercado electrónico de Nova Iorque.

Em Londres, o petróleo de Brent para entrega em Fevereiro subia 66 cêntimos para 98,50 dólares o barril.

O petróleo alcançou terça-feira o recorde histórico dos 100 dólares o barril impulsionado pela violência na Nigéria, que faz prever um corte no abastecimento, e pelas previsões de queda das reservas norte-americanas.

A desvalorização do dólar face ao euro está também a pressionar os preços, uma vez que torna o petróleo barato para os investidores fora dos Estados Unidos." - In Diário de Noticias online de 3 de Janeiro.

Por tudo o que já escrevi, desde de 2006, a respeito do petróleo do seu alto preço, o impacto deste no ambiente, os lobbies económicos, a nosso dependência económica que tanto asfixia a nossa economia, aliada a uma inexistente politica energética que realmente corresponda às necessidades económicas e energéticas dos portugueses.

O simples facto do aumento do preço do petróleo pode e deve ser aproveitada para a sociedade apostar em diversos domínios que que reduzam de um modo drástico a nossa dependência, a bem do meio ambiente, da nossa economia, do nosso conforto e das nossas poupanças.

Resta saber de os decisores políticos, investidores privados e o público em geral exerça pressão das mais variadas formas a tornar a nossa sociedade mais sustentável.

Mas para isso é preciso vontade de todos nós, e acreditarmos todos na mudança energética, acima de tudo é preciso vontade, muita força de vontade.....

1 comentário:

al cardoso disse...

Caro Magno:

Virei mais tarde comentar, agora so lhe queria pedir que comenta-se o meu ultimo "post" do "Aquidalgodres"

Um abraco de amizade.